A linguagem fez-se para que nos sirvamos dela, não para que a sirvamos a ela.

 

 Só há três línguas com um futuro popular – o inglês (que já tem uma larga difusão), o espanhol e o português.

(…) Assim línguas como o francês, o alemão e o italiano só poderão ser europeias: não têm poder imperial. Enquanto a Europa foi o mundo estas dominaram, e triunfaram mesmo sobre as outras três, pois o inglês era insular e o espanhol e o português encontravam-se num dos seus extremos. Mas quando o mundo passou a ser o globo terrestre este cenário alterou-se.

Será, portanto, numa destas três línguas que o futuro do futuro assentará.

O português é (1) a mais rica e mais complexa das línguas românicas, (2) uma das cinco línguas imperiais, (3) é falado, senão por muita gente, pelo menos do Oriente ao Ocidente, ao contrário de todas as línguas menos o inglês, e, até, certo ponto o francês, (4) é fácil de aprender a quem já saiba espanhol (castelhano) e, em certo modo, italiano – isto é, não é uma língua isolada (5) é a língua falada num grande país crescente – O Brasil (podia ser falada de Oriente a Ocidente e não ser assim falada por uma grande nação).

Estes argumentos não pesarão se outras circunstâncias os não apoiarem.

 

PUBLICAÇÃO/OBSERVATÓRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA

REDE SOCIAL DA LUSOFONIA | PUBLICAÇÕES DE MEMBROS - EVENTOS - ANÚNCIOS CLASSIFICADOS - DIRETÓRIO DE EMPRESAS

CONTACTO

Não hesite em enviar a sua mensagem! Responderemos por email desde que possível.

Enviando
Translate »
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Criar Conta