Os Governos português e angolano criaram em Luanda uma Comissão Mista que obriga a encontros diplomáticos regulares dos dois países para analisar as relações bilaterais e projectos de cooperação.

O documento foi assinado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, e pelo seu homólogo angolano, Georges Chikoti.

Segundo Augusto Santos Silva, o protocolo vai permitir o relançamento de novas áreas de cooperação.

Já o chefe da diplomacia nacional sublinhou que há muito trabalho feito e muito ainda fazer, com vantagens para os dois países.

Augusto Santos Silva destacou a realização de vários contactos ao nível dos secretários de Estado das Relações Exteriores, cuja intensidade dos trabalhos mostra bem “a densidade e a excelência das relações”.

Contudo, esses contactos devem ter resultados concretos, sublinhou o ministro, citando as áreas económica, científica e tecnológica e a formação diplomática.

Relativamente à área económica, o ministro disse que Portugal se revê nos objectivos de Angola.

“No nosso ponto de vista, as boas relações económicas são as que geram benefícios para ambas as partes. Portanto, a desigualdade nas relações, seja uns a exportarem muito mais que os outros ou investirem mais ou retirarem vantagens, deve ser evitada. Pelo contrário, deve haver parcerias de relacionamento económico mutuamente vantajosas”, frisou.

O governante português acrescentou que o programa de diversificação económica e a aposta na agricultura, no sector agroindustrial e agroalimentar, constitui um campo de cooperação muito importante.

A cooperação científica, tecnológica e do mar é outra da área em que os dois países têm trabalhado, salientou o chefe da diplomacia portuguesa, dando o exemplo da confirmação por Angola da presença na Conferência Internacional, em Abril, nos Açores, em que será feito o lançamento do Centro de Investigação sobre questões de clima, oceano e espaço, promovido por Portugal.

“Sabemos também que vai haver cooperação entre os dois países no que diz respeito à museologia da ciência e já há muita cooperação entre os nossos dois países , no que diz respeito ao ensino superior”, disse.

O ministro disse esperar que a futura visita do primeiro-ministro português ao país permita a assinatura de um programa executivo de cooperação bilateral entre os dois países, “faltando apenas afinar aspectos relativamente secundários do programa que já está em curso”.

Sobre a cooperação na área da formação dos diplomatas, Augusto Santos Silva considerou que está “em bom caminho”, salientando que essa tem sido uma questão tem vindo a ser colocada na relação entre os dois ministérios.

“Do nosso ponto de vista, [há] toda a disponibilidade para colaborar nessa área muito importante da formação diplomática” e o objectivo é “integrar todos os vários domínios de parceria de cooperação que existem entre os nossos dois Estados, num mecanismo de contacto com o formato de uma Comissão Mista”, disse.

 

PUBLICAÇÃO > VERANGOLA
0 Comentários

Envie uma Resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

CONTACTO

Não hesite em enviar a sua mensagem! Responderemos por email desde que possível.

Enviando

REDE SOCIAL DA LUSOFONIA | PUBLICAÇÕES DE MEMBROS - EVENTOS - ANÚNCIOS CLASSIFICADOS - DIRETÓRIO DE EMPRESAS

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account